"Isso pode Arnaldo?"

Vital do Rêgo inovou e viu na propaganda do pacote anticrime ‘grave lesão ao interesse público’

Ao determinar a suspensão imediata da propaganda do pacote anticrime, Vital do Rêgo quebrou uma tradição no Tribunal de Contas da União: auditores não se recordam de decisão tomada sem consulta prévia à unidade técnica, embora isso seja permitido.

O inciso 16 do artigo 28 do regimento interno do TCU prevê que medidas cautelares possam ser tomadas dessa forma quando o caso for considerado “de urgência, de fundado receio de grave lesão ao erário, ao interesse público, ou de risco de ineficácia da decisão de mérito”.

Provavelmente, a decisão de suspender a propaganda do pacote anticrime será analisada pelos demais ministros nesta quarta-feira em sessão no plenário.

A íntegra da decisão 

TCU-vital

oantagonista

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O