Reforma da Previdência

Presidente pretende ir à Câmara acompanhar votação da Previdência

O presidente Jair Bolsonaro pretende ir à Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (10) pela manhã para acompanhar presencialmente parte da sessão de votação da proposta que modifica as regras de aposentadoria no País. O ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, deve acompanhá-lo.

A sessão do plenário da Casa que vai deliberar sobre a reforma da Previdência foi aberta na tarde desta terça-feira (9), pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A expectativa é iniciar os debates nesta terça e entrar no processo de votação à noite ou na manhã desta quarta. São necessários 308 votos para aprovar a reforma no primeiro turno na Câmara. Pela manhã, Bolsonaro disse estar confiante na aprovação da proposta em dois turnos pela Câmara antes do recesso parlamentar, que começa em 18 de julho.

Ao longo desta terça-feira, Bolsonaro voltou a fazer elogios a Rodrigo Maia. Mais cedo, disse que o deputado é “nosso general dentro da Câmara”. No início da tarde, afirmou que o presidente da Casa “quer o melhor para o Brasil” e está empenhado na aprovação da proposta.

À tarde, o presidente afirmou a jornalistas que “tudo indica” que categorias voltadas para a área da Segurança Pública deverão ficar fora da proposta de reforma. Essas categorias seriam contempladas em um novo PLC (Projeto de Lei Complementar) a ser editado após a promulgação da reforma, explicou em um evento em Brasília. Desde a semana passada, Bolsonaro tem atuado para viabilizar regras mais brandas para policiais federais no texto final.

Na última quarta-feira, após ter sido chamado de traidor por alguns policiais em protesto na Câmara, Bolsonaro conseguiu alterações no texto da reforma da Previdência para beneficiar a categoria. Fontes apontam que o presidente ligou para diversos líderes partidários solicitando as mudanças.

Segundo essas fontes, a pressão dos parlamentares teria levado o relator, Samuel Moreira (PSDB-SP), a ceder nesse ponto, colocando uma idade menor para que policiais se aposentem.

Estratégia – O Diário Oficial da União desta terça-feira traz a exoneração temporária dos ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, para que eles possam reassumir seus mandatos de deputado federal e votar a favor da reforma da Previdência na Câmara.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, também deverá retornar à Câmara para votar em prol da reforma. A expectativa é que os ministros licenciados retornem aos respectivos cargos depois que a votação for concluída.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O