Papa Francisco

Papa Francisco lança exortação sobre Amazônia e descarta ordenação de homens casados

O papa Francisco lançou nesta quarta-feira (12) a Exortação pós-sinodal “Querida Amazônia”, resultado do Sínodo dos Bispos ocorrido em outubro do ano passado.

Dividida em vários pontos, o sumo pontífice da Igreja Católica enumera questões sociais, culturais, ecológicas e eclesiais. E contrariando o que foi muitas vezes tido como fruto da reunião, o documento não libera o fim do celibato de padres, a ordenação de mulheres nem a introdução de pessoas leigas para administrar sacramentos em áreas remotas.

Francisco inicia com uma apresentação geral do documento e enumera ‘sonhos’ para a região. “Sonho com uma Amazônia que lute pelos direitos dos mais pobres, dos povos nativos, dos últimos, de modo que a sua voz seja ouvida e sua dignidade promovida”.

Sobre a atuação clerical da Igreja na região, muito se falava sobre algumas sugestões para suprir lacunas do trabalho apostólico, porém no documento, o Papa propõe a mesma solução que a Igreja sempre aderiu, ou seja, que apenas homens celibatários possam ser admitidos.

O papa recorda a necessidade de todos os bispos “especialmente os da América Latina” a rezarem pelas vocações sacerdotais e enviarem mais missionários para desenvolverem seu trabalho na Amazônia.

“O sacerdote é sinal desta Cabeça que derrama a graça, antes de tudo, quando celebra a Eucaristia, fonte e cume de toda a vida cristã. Por isso, apenas ele pode dizer: Isto é o meu corpo». Há outras palavras que só ele pode pronunciar: Eu te absolvo dos teus pecados”, diz trecho da exortação.

Os leigos, por sua vez, indica Francisco, “poderão anunciar a Palavra, ensinar, organizar as suas comunidades, celebrar alguns Sacramentos, buscar várias expressões para a piedade popular e desenvolver os múltiplos dons que o Espírito derrama neles”.

Sobre as mulheres, o pontífice já havia citado no Sínodo em outubro que elas não deveriam ser vistas a partir do que podem ou não fazer, e sim da sua importância na Igreja. “Este reducionismo levar-nos-ia a pensar que só se daria às mulheres um status e uma participação maior na Igreja se lhes fosse concedido acesso à Ordem sacra.”

O papa também aproveitou para falar sobre outros pontos, como a necessidade de uma ecologia “humana” que leve a uma ecologia “social”, além de denunciar explorações e erros cometidos no passado e no presente, reforçando que a principal missão da Igreja no local é anunciar Jesus Cristo.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O