Política

“Nem com o PT a Lava Jato esteve tão ameaçada”, diz criador de rede pró-Bolsonaro no WhatsApp

Há quase um ano, em plena campanha eleitoral, o empreendedor Carlos Henrique Nacli Bastos concedeu uma entrevista defendendo o uso do WhatsApp na campanha de Jair Bolsonaro como ferramenta de combate às fake news que eram disseminadas contra o então deputado federal. Agora, pela primeira vez, um dos cem grupos administrados por ele e seus colegas, furou a bolha dos apoiadores e passou a criticar o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). O parlamentar tem articulado contra a CPI da Lava Toga, uma das bandeiras dos movimentos anticorrupção no país. As primeiras queixas de Nacli Bastos e aliados foram levadas diretamente às 15.000 pessoas que os acompanham no ZapBolsonaro.

Pergunta. Por qual razão vocês resolveram criticar o Flávio Bolsonaro?

Reposta. O senador Flávio Bolsonaro desde que foi pego no caso Queiroz ao invés de usar o lema tão defendido pelo seu pai “conhecereis a verdade e ela vos libertará” tem feito exatamente o contrário. Ele está fazendo exatamente a mesma coisa que os caciques petistas, emedebistas e peessedebistas fizeram quando seus nomes surgiram em delações, está se protegendo pelo foro privilegiado e enrolando como pode o STF. Isso para nós, que lutamos tanto em defesa da Lava Jato e a favor de uma limpeza no país, já serve como prova de culpa. Já diz o ditado: “Quem não deve não teme”.

P. As críticas não podem atingir o Governo Bolsonaro?

R. As críticas infelizmente atingem, sim, o Governo, porque o próprio presidente nacional do PSL [Luciano Bivar] já se posicionou contra a abertura da CPI. Isso demonstra que o partido do presidente não está em sintonia com o povo que sai nas ruas há tantos anos. Acredito que o Governo Bolsonaro tem que escolher qual lado ele quer ficar, se do lado do visível acordão comandado pelo centrão ou do lado do povo. O povo em sua maioria está cansado de ser enganado e manipulado e quanto mais tempo demorar para o Governo deixar claro qual lado está, maior será o desgaste.

P.  Vocês fazem uma defesa enfática da Lava Jato. Acha que ela está protegida pelo presidente Bolsonaro?

R. Para nós, a Lava Jato é o estandarte de esperança num país tão marcado pela corrupção e pelo jogo de toma-lá-dá-cá que nos levou à beira do caos. Infelizmente, estamos vivendo um período de paixão cega, onde tentam nos dividir numa disputa entre direita e esquerda. O que acontece é que a maioria do povo não sabe que os nossos verdadeiros inimigos estão em Brasília. Enquanto ficamos deslumbrados, a turma que está no poder e não quer que a Lava Jato continue está trabalhando a mil nos bastidores para fazer com que as importantes conquistas sejam colocadas para debaixo do tapete.

É com muita tristeza que digo que nem no Governo do PT a Lava Jato esteve tão ameaçada. Provas disso são a proibição da utilização dos dados do COAF nas investigações, a decisão da 2ª Turma do STF em anular a condenação de [Aldemir] Bendine, sentença que pode ser usada para anular outras cem condenações da Lava Jato, a Lei de Abuso de Autoridade, que pode beneficiar Renan Calheiros e [Roberto] Requião, e agora por último a visível guerra para tentar barrar a abertura da CPI da Lava Togas.

Quanto aos embates com Moro penso que é mais um desejo de parte da mídia do que de fato, o próprio ministro em suas manifestações pelo Twitter demonstra alinhamento e apoio ao Governo. Isso para nós é um alivio porque Moro tem feito um trabalho excepcional como ministro e confiamos plenamente no seu caráter. O risco maior da Lava Jato está no STF.  É lá que processos que começam com um empenho da Policia Federal, MPF e demais órgãos podem com uma canetada de um ministro do STF serem descartadas. Por isso a CPI da Lava Toga é tão importante.

P. Quem são os interessados em não ver a CPI da Lava Toga andar, na sua opinião?

R. Hoje quem comanda tudo em Brasília é o Centrão, liderados por Rodrigo Maia e caciques ocultos. O presidente da Câmara é do DEM, o presidente do Senado é do DEM, o novo PGR é indicação do DEM. É visível para quem sabe como funciona a política no Brasil que temos caciques outrora superstar que agora pouco aparecem por estarem muito “queimados”, mas com certeza devem nos bastidores atuarem com toda força. A grande disputa está entre aqueles que não querem a delação do [ex-ministro Antonio] Palocci, por exemplo, sendo desdobrada, aqueles que não querem ter suas contas abertas para vermos porque a movimentação financeira é tão diferente dos seus ganhos, exemplo das contas de Dias Toffoli que caiu no pente fino da Receita e ele mandou afastar os servidores, do Flávio que é acusado de “rachadinha” no seu gabinete enquanto deputado.

E para piorar sabemos que tem mais ameaças de uma possível delação do Eduardo Cunha. Já imaginou quanta limpeza ainda tem para ser feita no Brasil? Todos aqueles que tem rabo preso estão lutando como nunca para em nome da governabilidade abafar a Lava Jato. Nos próximos capítulos veremos se o povo vai acordar a tempo para não deixarmos a Lava Jato ir para o espaço. Dia 25 de setembro será um bom teste, pois hoje os senadores a favor da CPI da Lava Toga convocaram uma manifestação em Brasília. Nossa torcida e trabalho será para levar uma multidão neste dia. Para terminar o Brasil precisa decidir se quer um acordão ou se quer limpeza. Eu sempre vou ficar do lado da Lava Jato, porque sem ela Bolsonaro jamais teria sido eleito. E ele deve, na minha opinião, parar de perder tempo com a mídia e de falar besteiras nas redes sociais e se posicionar publicamente a favor da CPI.

 

 

 

el pais 

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O