Notícias

Não foi bem no primeiro dia de Enem? Não desanime, recomendam especialistas

Sem desespero e, muito menos, desânimo. Essa é a dica de educadores para os estudantes que, amanhã, fazem as últimas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 – ciências da natureza e suas tecnologias e matemática e suas tecnologias, com duração de cinco horas destinadas à resolução de 90 questões. Segundo Marco Aurélio Ferreira Alves, coordenador pedagógico do Colégio Nossa Senhora das Dores, no Bairro Floresta, na Região Leste de Belo Horizonte, o Enem é o “conjunto da obra”, então o candidato não deve desistir de continuar participando.

De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia do Ministério da Educação, o Enem 2018 registrou o menor percentual de ausentes (24,9%) desde 2009, quando passou a ter dois dias de aplicação. Domingo passado, primeiro dia de prova, 1,4 milhão de participantes faltaram. Os organizadores, em nota, informam que “como a abstenção é um dado que considera os dois dias de aplicação, esse número pode diminuir, mas não aumentar”. O Enem 2018 teve 5,5 milhões de inscrições confirmadas. Entre 2013 e 2017, as ausências levaram a um prejuízo de quase R$ 1 bilhão aos cofres públicos. Dos mais de 2 milhões de ausentes no Enem 2017, 84% estavam isentos do pagamento da taxa de inscrição e apenas 4.345 (0,2%) conseguiram justificar a ausência e garantir a isenção também em 2018.

“Se não for agora, ano que vem tem mais”, diz, confiante, Guilherme Octávio Dias Viana, de 17, aluno de escola pública. Entusiasmado em cursar engenharia mecânica, o jovem diz que o seu forte é a área de exatas. “Agora é para valer. Quero tirar uma boa nota”, observou. Estudante de análise e desenvolvimento de sistemas em faculdade particular, Danielly Cristinne Oliveira Ribeiro, de 22, quer mudar para letras, de preferência na Universidade Federal e tentar o Prouni, para, se aprovada, ficar livre das mensalidades. O desempenho na semana passada foi regular, mas não dá para parar, acredita a vendedora, que gosta de escrever e já lançou um livro físico e na plataforma digital, Sinto muito, meu amor, com o nome de Danielly Cor (as três letras do sobrenome).

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O