STF

Gilmar pede vistas e julgamento do pedido de liberdade de Lula é adiado

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) pediu vistas, ou seja, mais tempo para analisar o caso, durante o julgamento do pedido de liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nesta terça-feira (4/12). O habeas corpus do petista foi levado ao plenário da Segunda Turma da Corte.

No documento, a defesa pede que o juiz Sérgio Moro seja declarado suspeito no processo relacionado ao triplex do Guarujá. Os advogados de Lula sustentam que a parcialidade dele no caso “ficou evidente com a aceitação do convite para ser ministro da Justiça no governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro”. 

No momento em que Gilmar pediu vistas, já haviam dois votos, do relator, Edson Fachin e da ministra Cármen Lúcia. Ambos se posicionaram pela rejeição do pedido de liberdade.

“O tema aqui não concerne a qualquer incidente da execução penal. Inexiste nesta impetração qualquer argumento de caráter humanitário que pode ser deduzido em habeas corpus. Os argumento a cerca da suposta imparcialidade já foram examinadas em 3 ações de suspeição interiormente apostas”, disse Fachin. Gilmar Mendes disse que precisa analisar novas provas, e acusações que foram feitas, envolvendo Moro. Com a decisão dele, o assunto só deve voltar a ser pautado na Turma no próximo ano. Lula, que está preso na Superintendência da Polícia Federalm, em Curitiba, permanece encarceirado até que caso seja retomado.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O