Crime

Filho preso por planejar assalto que matou pai agiu com frieza, diz delegado da PB

O filho de Severino Maciel Ramos, gerente de um posto de combustível morto após uma tentativa de assalto, agiu com frieza e, no dia do crime, tentou apagar as provas de que teria planejado a ação dos assaltantes, segundo informou o delegado Wagner Dorta nesta segunda-feira (4). Herick Ramon Diniz, de 25 anos, foi preso na missa de 7º dia de Severino Maciel, na sexta-feira (1º).

O gerente do posto foi morto na tarde do dia 26 de maio durante uma tentativa de assalto ao estabelecimento, no bairro de Manaíra, em João Pessoa. De acordo com a Polícia Militar, ele reagiu à abordagem de dois assaltantes armados e um atirou no peito da vítima. As câmeras do estabelecimento flagraram a ação. Um dos suspeitos foi preso no mesmo dia.

De acordo com o delegado, as informações sobre a ação de Herick Ramon Diniz após o crime foram repassadas durante o depoimento da viúva da vítima, prestado na manhã desta segunda.

“Percebemos que o autor intelectual do crime, o Herick, é extremamente frio, porque depois do crime ele só queria, a todo momento, pegar o celular de Maciel para apagar um diálogo entre eles onde justamente ele perguntava o horário em que o pai estaria no posto”, disse Dorta.

No dia da prisão, Herick confessou à polícia que deu as coordenadas do assalto aos suspeitos, e que sabia da presença do pai no posto de combustível na hora do crime. O segundo suspeito de participar do assalto, preso no dia 31 de maio, já havia adiantado a informação à Polícia Civil.

“O Herick não só estava nas redondezas quando aconteceu o crime como também entrou em contato com os dois comparsas. Ele confidenciou na delegacia que tratava a dupla de assaltantes como parceiros, mas os dois executores foram no posto sabendo que o pai dele trabalhava lá. Eles atiraram sabendo que a vítima era o pai de Herick”, disse Wagner Dorta.

O filho de Maciel explicou, em depoimento, que o pai sempre foi de reagir a assalto e que na conclusão do delegado, sabendo da personalidade do pai, assumiu a responsabilidade do que poderia acontecer.

De acordo com informações passadas pelo delegado, Herick Ramon planejou o crime porque estava devendo R$ 1 mil e estaria sendo pressionado para pagar o valor. Após a audiência de custódia, o suspeito teve a prisão temporária mantida e foi levado para o presídio do Róger.

“Estamos investigando a suspeita de que ele tinha dívidas com o tráfico de drogas no bairro do São José. Sabemos que nos últimos dias ele pedia muito dinheiro ao pai para pagar dívidas, mas não sabemos quais eram”, comentou o delegado.

G1

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O