Violência

Em uma semana de greve, RN registra 50 assassinatos e 360 roubos

O Rio Grande do Norte sofre com a violência desenfreada que se instalou no estado, devido à greve dos agentes de segurança pública (policiais militares, bombeiros e policiais civis). Depois de uma semana de paralisação, segundo a Secretaria de Segurança, já foram registrados 50 assassinatos e 360 casos de roubo.

Um dos cidadãos afetados pela insegurança nas ruas é Tarcísio Cavalcante, aposentado, que se preocupa com a violência no Rio Grande do Norte. “Há tempos que a violência aqui é grande, a situação é realmente muito espantosa”, lamentou. “O problema é que o pessoal não recebe há dois meses, e o governo, em vez de falar a verdade, que não tem dinheiro, fica dando esperança com esse repasse da União”, comentou. “Muita gente acreditou e ficou esperando esse dinheiro”, completou.

Os agentes de segurança alegam que não receberam o salário de novembro e dezembro, e afirmam que só sairão às ruas com o equipamento adequado ao trabalho, como proteção, carros e armas em condições de uso. A situação se desenrolou ao ponto de ser necessário pedir ajuda ao Ministério da Justiça, que forneceu 70 agentes da Força Nacional para o estado. O Ministério da Fazenda, por sua vez, vetou repasses do Tesouro Nacional de R$ 600 milhões ao governo ao Rio Grande do Norte, após recomendação do Tribunal de Contas da União (TCU). Além disso, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte (TJRN), determinou, no domingo, que os grevistas retomassem suas atividades — o que não ocorreu.

Avaliação

O especialista em segurança da Universidade de Brasília (UnB) Arthur Trindade demonstrou pesar sobre a situação do Rio Grande do Norte. “Em qualquer lugar, não se pode ficar sem polícia. E, ao mesmo tempo, a polícia não pode ficar à mercê da política local”, criticou.

Trindade ressalta que a população mais carente é que sai mais prejudicada.

“A falta de polícia afeta muito mais quem precisa dela que as áreas ricas. E a ajuda da Força Nacional é muito cara e pouco efetiva, precisa ser melhor que essa. Quase não tem efeitos práticos”, explicou.

O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), pediu que haja reconsideração à decisão do veto ao repasse de recursos pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Ao contrário do alegado pelo TCU, ele afirmou que a transferência não é inconstitucional — e que mesmo que o dinheiro não possa ser liberado para o pagamento da folha de seus funcionários (ação considerada ilegal pelo TCU), pode ser utilizado em outras despesas.

Plano de ação

A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, disse que enviará uma missão ao Rio Grande do Norte em 2018 para ajudar a criar um plano de ação para ajustar as contas do estado, que não pode aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF) por não atender aos requisitos da lei que criou o programa e teve um pedido de socorro financeiro negado esta semana pelo governo.

“Temos muito respeito com o que acontece com a população potiguar, mas temos balizas a serem seguidas. Temos preocupação muito grande com isonomia entre entes federativos. Uma ajuda financeira está descartada, isso não faz parte do nosso arranjo federativo”, enfatizou.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O