Economia

Dólar bate R$ 4 em meio a perspectivas eleitorais

O dólar bateu R$ 4 por volta do meio-dia desta terça-feira (21), com o mercado reagindo a resultados de pesquisas para o cenário eleitoral brasileiro de outubro.

Às 12h02 (horário de Brasília), a moeda avançava 0,90%, para R$ 3,994.

Investidores reagem aos resultados da pesquisa Ibope/Estado/TV Globo, divulgada na noite desta segunda-feira (20). Nume cenário sem o ex-presidente Lula (PT), o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) lidera as intenções de voto à Presidência com 20% da preferência do eleitorado, seguido por Marina Silva (Rede), com 12%, e Ciro Gomes (PDT), com 9%.

O candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, teria 7% das intenções de voto, e aparece tecnicamente empatado com o provável substituto de Lula, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), que tem 4%.

“O mercado não considerava até poucos dias atrás um cenário sem Alckmin no segundo turno, mas já começou a precificá-lo”, afirmou o economista da corretora Nova Futura, Pedro Paulo Silveira. Alckmin é, até o momento, o candidato preferido do mercado, que o vê como um nome mais reformista.

Na véspera, o dólar já havia fechado em R$ 3,958, maior patamar desde fevereiro de 2016, também refletindo resultados de pesquisa eleitoral.

O levantamento CNT/MDA mostrou, em um cenário com Lula, que o petista lidera as intenções de voto, com a preferência de 37,3% dos eleitores ouvidos na pesquisa estimulada. Em segundo lugar, Bolsonaro registrou 18,3%. Alckmin atingiu 4,9%, atrás de Marina, com 5,6%.

Segundo analistas, investidores ainda esperam, no entanto, que o início da campanha eleitoral na TV e no rádio possa impulsionar a campanha de Alckmin. A aliança entre o tucano e o chamado centrão rendeu ao candidato quase 40% do tempo de TV na disputa.

“Bolsonaro tem um piso de intenção de voto sólido, mas seu teto também é claro. Seus desafios seguem os mesmos: diminuir a rejeição e ser mais competitivo em um eventual segundo turno. Marina está em segundo lugar e se mostra forte na disputa do segundo turno. Haddad ainda têm espaço para crescer com maior exposição no Nordeste e herança de votos de Lula […] Alckmin está estacionado e aposta as fichas no seu largo tempo de TV”, escreveu a Guide Investimentos em relatório.

TRUMP E FED

No exterior, 25 das 31 principais divisas do mundo seguiam direção contrária à do real e avançavam em relação ao dólar, após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltar a criticar o banco central do país por elevar a taxa de juros.

Trump disse nesta segunda que não está animado com o presidente do Federal Reserve (BC dos EUA), Jerome Powell, nomeado por ele próprio no ano passado para substituir Janet Yellen. O presidente americano afirmou ainda que o Fed deveria ser mais expansionista.

“Não estou animado com os aumentos de juros dele, não”, disse Trump em entrevista à agência Reuters.Segundo ele, outros países se beneficiaram das medidas dos seus bancos centrais durante duras negociações comerciais, mas os Estados Unidos não estariam recebendo apoio do Fed.

“Estamos negociando de forma muito forte com outros países. Nós vamos vencer. Mas durante este período de tempo eu deveria receber alguma ajuda do Fed. Os outros países estão acomodados”, declarou.

O Fed elevou os juros duas vezes neste ano e espera-se que ele aumente de novo as taxas no mês que vem.

Juros mais altos fortalecem o dólar ao atraírem para a maior economia do mundo recursos até então alocados em países de risco maior, mas prêmio teoricamente mais elevado, como o Brasil.

Quando Trump critica as taxas nos EUA, o efeito é o contrário: investidores entendem que o rendimento está ameaçado em dólar e buscam opções em ativos de risco maior, como ações e divisas de países emergentes.

Das 24 moedas emergentes, 18 ganhavam força em relação ao dólar, enquanto Bolsas globais operavam no azul.

O Dow Jones, principal índice de Nova York, avança 0,29%. O MSCI, índice de referência dos mercados emergentes, subia cerca de 1%.

O Ibovespa, índice que reúne as ações mais negociadas no Brasil, no entanto, recuava 0,21%, para 76.228,79, também refletindo incertezas eleitorais.

Para os dois cenários o Ibope ouviu 2.002 eleitores, em 142 municípios, entre os dias 17 e 19 de agosto. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

A pesquisa está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR-01665/2018.

A pesquisa CNT/MDA foi realizada entre os dias 15 e 18 de agosto de 2018 e ouviu 2.002 pessoas, em 137 municípios de 25 estados. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, com 95% de nível de confiança.

A pesquisa está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR-09086/2018. Com informações da Folhapress.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O