Esportes

Cinegrafista agredido em Londrina relata: “Eram 14 caras me batendo”

Jeferson Kickhofel levou chutes no jogo entre Londrina e Brasil-Pel

confusão

O cinegrafista Jeferson Kickhofel, da RBS TV Pelotas, nunca tinha visto algo parecido em 28 anos de carreira. Durante o empate entre Londrina e Brasil-Pel, neste sábado, a classificação xavante para a final da Série D do Brasileirão ficou em segundo plano. A confusão generalizada, que envolveu jogadores e comissões técnicas, começou após a expulsão do técnico Rogério Zimmermann e teve agressões ao profissional da imprensa, segundo o seu relato em entrevista por telefone a Zero Hora, na manhã desta segunda.

“Em momento algum saí algemado”, diz Eduardo Martini

De acordo com Jeferson, o clima já era tenso antes mesmo do início da partida. Acostumado a conviver com a pressão da torcida, o cinegrafista afirmou não esperar que a briga começasse por funcionários de um clube, “de onde tem que partir a paz”, em suas palavras.

Árbitro cita soco de Martini em integrante da comissão técnica do Londrina

— A confusão contra mim foi na hora da expulsão do treinador do Brasil (Rogério Zimmermann). Eu estava fazendo as imagens, peguei imagens do treinador saindo de campo. Então, saíram do vestiário três ou quatro pessoas com camisas do Londrina, não sei quem eram, agredindo verbalmente o treinador. Aquilo foi criando volume, e eu sempre gravando. Vieram os jogadores tentar apartar, segurar. E daqui a pouco o foco virou pra mim. O gerente de futebol do Londrina, está gravado nas imagens, veio na minha direção, perguntou o que eu estava fazendo e queria que eu apagasse a imagem, colocou a mão na câmera. Apareceram mais pessoas, na hora eu achei que eram sete ou oito, depois eu vi nas imagens que eram 14 caras me batendo, me chutando, tentando me roubar a câmera. Pedi ajuda para a PM, não me protegeram em nenhum momento. Aí vieram os jogadores do Brasil me proteger, viram que era eu ali. Eu não sabia nem pra onde ir, a polícia não apartava, estava olhando a confusão.

Menos de 24 horas depois do incidente, Jeferson ainda sente dores no corpo — sobretudo nas pernas e costelas, por conta dos chutes. Apesar do desejo de seguir na profissão, admitiu que tem receio por voltar a Londrina.

— Sinto muita dor no corpo ainda, minha perna e minha costela está machucada. Eu espero nunca mais ir a Londrina, não tenho mais coragem. Saí com uma outra visão — completou o cinegrafista.

Confira imagens do jogo:

Zerohora

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O