Brasil

Brasil pode se tornar potência econômica, afirma a revista de negócios ‘Forbes’

Em apenas um ano, o presidente Jair Bolsonaro conseguiu reverter 13 anos de políticas socialistas implementadas pelos ex-presidentes de esquerda Lula e Dilma. Suas realizações incluem a aprovação de importantes reformas no mercado livre, como a reforma das pensões e diferentes leis de desregulamentação, como a redução do número de Ministérios de 29 para 22 e a privatização de redes de logística das estradas para os aeroportos. Graças à aprovação do pacote anticrime, as taxas de criminalidade caíram 22%. Além disso, 2019 foi o melhor ano para o emprego desde 2013, com quase um milhão de empregos criados.

Agora o Brasil precisa investir em sua inovação. Se uma reforma de telecomunicações de mercado livre for aprovada, o Brasil definitivamente abrirá seu mercado para aumentar a concorrência e atrair grandes quantidades de investimentos diretos estrangeiros, tornando o Brasil uma potência econômica regional.

O governo Bolsonaro iniciou reformas maciças para abrir a economia e colocá-la em um caminho mais sustentável em termos fiscais. Entre suas principais realizações está uma reforma previdenciária que seria o destaque de qualquer carreira política. Em todo o mundo, os políticos acham mais fácil prometer folhetos massivos, pagos por populações menores, que deverão resultar em um déficit global de US $ 400 trilhões até 2050.

Bolsonaro olhou para greves sindicais. Sua reforma aumenta a idade da aposentadoria em 10 anos, aumenta as contribuições e economiza ao governo US $ 187 bilhões em uma década. As reformas colocam o Brasil em um caminho muito mais sustentável. Segundo o ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, “a economia do Brasil está a caminho de crescer 2,5% este ano”.

Esse movimento está sendo seguido por reformas agressivas para reduzir o setor público inchado e limitar a incidência de impostos. Tudo isso, é claro, é complementado com o fim de 20 anos de impasse ao garantir um acordo de princípio com a UE em junho de 2019.

O acordo UE-Mercosul é um benefício para as empresas da UE que buscam vantagens pioneiras em uma região equivalente em tamanho econômico à Alemanha. O Mercosul comprometeu-se a remover € 4 bilhões em receita tarifária anual, incluindo sua tarifa proibitiva de 35% para carros, e uma tarifa média de 20% em máquinas, uma tarifa de 18% em produtos químicos e uma tarifa de 14% em certos produtos farmacêuticos. Enquanto a UE se comprometeu a eliminar tarifas de 93% das exportações do Mercosul para o bloco.

O Mercosul é fisicamente três vezes o tamanho da UE, mas a produção do PIB é um quinto. O Brasil precisa de um parceiro comercial que o veja triplicar de tamanho e se tornar uma potência da inovação na América Latina.

O comércio aberto com a UE significa que as próximas gerações poderão ingressar em setores e serviços intensivos em PI, como telecomunicações. De acordo com o Índice Global de Inovação 2019 da Organização Mundial da Propriedade Intelectual, o Brasil ocupa o 66º lugar das 129 economias. Ainda é muito baixo para a oitava maior economia do mundo. O comércio com a UE ou com os EUA trará variedade e concorrência aos consumidores do Mercosul que tiveram pouco, especialmente em setores fechados, como serviços de telecomunicações.

Por sua parte, Bolsonaro está no caminho de ter várias conquistas recordes em 2020. E agora que a USMCA foi aprovada, ele pode negociar um acordo abrangente com seu próximo maior parceiro comercial depois da China. Isso não é tudo o que ele tem a seu favor, a ascensão à OCDE também está sobre a mesa.

O último relatório da OCDE concluiu que o Brasil poderia “elevar o PIB em 20% em 15 anos” se continuasse com a abertura de mercados, o fortalecimento de instituições e a melhoria do ambiente de negócios. Um pedaço baixo de fruta pendente que convidaria o investimento estrangeiro, antes da conclusão de um acordo entre a UE ou os EUA e permitiria um salto no espaço das telecomunicações, é revogar a lei SeAC, que restringe a propriedade e a integração vertical no mercado audiovisual.

A lei é vestigial da ex-presidente socialista brasileira Dilma Rousseff, que viu a concorrência estrangeira como uma ameaça. A lei impede que os produtores de TV paga também sejam distribuidores online de seu conteúdo. Em outras palavras, cria um espaço para o Grupo Globo, do qual um terço do congresso brasileiro possui uma participação acionária, para ser o principal serviço de streaming online de programas de TV. Desestimula significativamente o investimento estrangeiro e reduz as oportunidades para os produtores brasileiros que poderiam ter mais pontos de distribuição.

O CEO da Warner Media, Gerhard Zeiler, declarou: “Temos a opção de adquirir os negócios no Brasil, mas não o fazemos no momento. Como dissemos, o investimento direto adicional no Brasil não é atualmente atrativo para nós devido à incerteza regulatória existente no país. ”

Para crédito do Brasil, o governo parece estar trabalhando no sentido certo. O Fox +, o primeiro serviço de streaming a ser vítima da proibição, recebeu uma medida cautelar contra a decisão da ANATEL, a agência reguladora, de suspender seu serviço, dizendo que era “excessivamente oneroso para a Fox, seus consumidores e terceiros”.

Atualmente, existe um período de consulta aberta. A agência nacional de cinema brasileira, ANCINE, enviou uma análise de impacto que recomendava reduzir a barreira. Para não ficar atrás, há também um projeto de lei no Congresso, apresentado pelo senador Vanderlan Cardoso, que altera a lei atual para remover a restrição. Por fim, o presidente também elaborou uma medida provisória para removê-la.

“As questões que afetam o mercado de telecomunicações brasileiro não negam o desempenho econômico e institucional do país nas últimas décadas”, diz o economista brasileiro Vladimir Fernandes Maciel, “mas provam que, se a interferência do governo não for repensada e a estrutura reguladora modernizada, isso prejudicará a inovação. e sufocar o crescimento econômico de longo prazo no país “.

Tudo o que falta é que o presidente, o congresso ou os reguladores sigam adiante. A superação desse obstáculo deve estar em primeiro lugar na lista de resoluções do ano novo de Bolsonaro. Por um lado, proporcionará benefícios imediatos aos consumidores e demonstrará à OCDE, à UE e aos parceiros dos EUA que o Brasil está comprometido com a atualização das regulamentações que convidam a investimentos e competição.

 

 

Lorenzo Montanari é VP de Assuntos Internacionais para Americanos pela Reforma Tributária, um grupo de advocacia e pesquisa de políticas com sede em Washington D.C. que trabalha para reduzir impostos e políticas de livre mercado nos níveis nacional e internacional.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O