Absurdos do STF

A prescrição da pena de José Dirceu é um “tapa na cara” da sociedade

Se a cada crime prescrito sem julgamento o juiz fosse condenado ao pagamento de uma multa equivalente à pena não aplicada, rapidinho o Poder Judiciário mudaria seus métodos, sistemas e filtros e melhoraria sua efetividade.

Veja o caso do notório José Dirceu. Ele é acusado de crimes que teriam sido cometidos entre 2003 e 2005, que chegaram à Justiça em 2007 e, no último degrau, ficaram engavetados pela lagosta Dias Toffoli.

Agora, foram herdados pelo queijo-rolando-no-morro Cármen Lúcia e estão conclusos para julgamento no Pleno do Supremo Tribunal Federal desde 2018.

Resultado dessa mazela: a defesa do ex-ministro lulista impetrou nesta segunda-feira (13) um pedido de Prescrição da Pretensão Punitiva.

De fato, a extinção da punibilidade no caso de Dirceu está prevista no Art. 107, IV, do Código Penal brasileiro.

É justo? Não, não é justo.

Mas, é legítimo.

 

 

 

helder caldeira

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais popular

T O P O